Audiência na AL discute Campanha da Fraternidade e o Grito dos Excluídos

A Comissão de Direitos Humanos da Assembleia Legislativa promove, nesta quarta-feira (19), audiência pública conjunta com a Câmara Municipal de Fortaleza, para discutir a Campanha da Fraternidade 2018 – Fraternidade e Superação da Violência e o Grito dos Excluídos 2018 – Vida em primeiro lugar. O debate ocorre a partir das 14h no Complexo de comissões Técnicas da Casa.

Para a deputada Rachel Marques (PT), que solicitou a audiência, as campanhas têm o objetivo promover a reflexão sobre as causas que tornam o Brasil um lugar de injustiças e desigualdades sociais.

Excluídos
O Grito dos Excluídos, segundo a parlamentar, é um movimento “sem dono”. “Não é da Igreja, nem do sindicato e nem da Pastoral. Não se caracteriza por discurso de lideranças e nem pela centralização de seus atos. O ecumenismo é vivido na prática, nas lutas, pois entendemos que os momentos e celebrações ecumênicas são importantes para fortalecer o compromisso”.

Fraternidade
O movimento surgiu em 1995, com o objetivo de aprofundar o tema da Campanha da Fraternidade daquele ano, que tinha como lema “Eras tu, Senhor”, e responder aos desafios levantados na 2º Semana Social Brasileira, cujo tema era “Brasil, Alternativas e Protagonistas”.

Convidados
Foram convidados para a audiência representantes do Fórum popular de Segurança Pública, do Comitê pela Desmilitarização da Polícia e da Política, da Conferência Nacional de Bispos do Brasil, da Igreja Presbiteriana Independente, e das Secretarias Estaduais de Justiça e cidadania e de Segurança Pública.

Com informações da AL

No Responses

  1. Pingback: https://firmy-godne-polecenia.pl/ 17/02/2020
  2. Pingback: KIU-Library 01/03/2020