Pesquisadores criam máscaras de tecido que pode matar o coronavírus

Desde que o novo coronavírus se espalhou, o uso de máscaras tem sido recomendado para diminuir a disseminação da Covid-19. Mas, e se essas máscaras, além de impedir que o vírus se espalhe, pudessem matá-lo também? Segundo Chandan Sen, diretor do Centro para Medicina Regenerativa e Engenharia da Escola de Medicina da Universidade de Indiana, nos EUA, é exatamente isso que sua equipe criou.

No início do ano, Sen e outros pesquisadores descobriram que o Sars-Cov-2 depende de forças eletrostáticas para infectar as pessoas. Agora, a equipe anunciou o desenvolvimento de um tecido feito de poliéster com pontos circulares de prata elementar e zinco alternados que confundem as propriedades eletrocinéticas do vírus, diminuindo sua capacidade de infectar as pessoas.

O tecido gera um campo elétrico fraco usando baterias de microcélulas quando exposto à umidade que bloqueia a capacidade de infecção.

Atualmente, a tecnologia é usada como curativos por sua capacidade de matar vírus e bactérias e por ser inofensivo aos humanos.

Para Sen, o tecido pode revolucionar os equipamentos de proteção individual, como as máscaras. Um equipamento que mata o vírus ao contato acaba com o perigo de o coronavírus permanecer nos itens de proteção após serem descartados. “Nossa esperança é que possamos utilizar esse tecido amplamente na luta contra a Covid-19, salvando vidas”, concluiu.

Olhar Digital 

Participe, envie sua notícia direto para o nosso Whatsapp.
Powered by