Homem investigado por torturar companheira em Pacoti é preso em ação policial

Após três dias de buscas intensas e ininterruptas, as Polícias Civil e Militar de Guaramiranga prenderam o homem investigado por torturar a companheira dele em Pacoti, na Área Integrada de Segurança 15 (AIS 15). A captura aconteceu na manhã desta quinta-feira (23), em cumprimento a um mandado de prisão preventiva pelo crime de tortura. A vítima foi encontrada viva, por policiais militares, nessa segunda-feira (20), em um local de difícil acesso, com sinais de tortura e maus-tratos. O suspeito foi levado para Delegacia Municipal de Guaramiranga, onde confessou as agressões.

Conforme investigação da Delegacia Municipal de Guaramiranga, que está à frente do caso, o homem é apontado como autor das lesões que deixaram marcas por todo o corpo da vítima. Ela foi encontrada amarrada a uma árvore, em uma área de mata, na localidade de Sítio Bonfim, na zona rural de Pacoti, na última segunda-feira (20). Os policiais militares que resgataram a mulher percorreram uma trilha de difícil acesso, por cerca de duas horas, até finalmente encontrar o local exato onde o homem mantinha a mulher.

Ainda de acordo com as informações da ocorrência, quando os policiais militares se aproximavam do local onde a mulher foi resgatada, o suspeito empreendeu fuga e ficou escondido na mata até ser capturado hoje, em um imóvel em Pacoti. No local do resgate, os PMs apreenderam uma foice e uma faca, instrumentos que possivelmente foram utilizados pelo suspeito para desferir golpes no corpo da mulher. Assim que foi encontrada, o socorro foi acionado para cuidar dos ferimentos da vítima. Ela recebeu os primeiros atendimentos médicos de profissionais do Serviço de Atendimento Móvel de Urgência (Samu) ainda no local. Em seguida, foi levada para uma unidade de saúde, onde segue em recuperação.

O homem, de 22 anos e que não terá a identidade revelada para preservar a vítima, foi encontrado na manhã de hoje (23), em uma casa na zona rural de Pacoti. Em depoimento, o suspeito confessou ser o autor das agressões e da tortura a que submeteu a companheira. De acordo com o suspeito, eles mantinham um relacionamento amoroso há cerca de três meses. O homem já tem uma passagem pela Polícia por lesão corporal contra um homem, crime ocorrido no ano em 2017, em Maranguape (AIS 12).

A Polícia Civil do Estado do Ceará (PCCE) mantém os trabalhos de investigação no intuito de reunir elementos que caracterizem todas as condutas criminosas praticadas pelo homem. A Delegacia Municipal de Guaramiranga também apura denúncias de violência doméstica do companheiro contra a mulher. As circunstâncias do crime são apuradas e serão preservadas para garantir o andamento das investigações.

O que diz a Lei?

A Lei nº 9.455/1997, que define os crimes de tortura, prevê pena de dois a oito anos de reclusão. Se comprovadas lesões corporais de natureza grave ou gravíssima, a pena para o agente que pratica tortura pode chegar a dez anos de reclusão. O crime de tortura é inafiançável e insuscetível de graça ou anistia.

Fonte: SSPDS