Desenvolvimento como índios preconizam, defende produtor rural do MS

Na semana que antecede as comemorações do dia do índio, o Impressões fala da autonomia indígena por meio de iniciativas que buscam a geração de renda para comunidades e a garantia da dignidade desta população. Neste programa, entrevistamos o proprietário rural Omar Taleb.

Radicado há mais de 20 anos em uma região marcada por conflitos de terra e onde está concentrada uma das maiores populações indígenas do país – Mato Grosso do Sul, com mais de 70 mil índios, segundo o Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) – o produtor decidiu trilhar um caminho diferente do de outros fazendeiros e trabalhar junto com os índios.

Omar Taleb tem expectativa de tempos menos conflituosos na região

Omar Taleb tem expectativa de tempos menos conflituosos na região, por Divulgação/TV Brasil

“Existe uma diferença imensa em termos de oportunidade, crescimento e usufruto da terra e dos recursos no entorno, e a minha ideia seria tentar equilibrar isso, até para compensar a omissão do Estado que impera ali”, revelou.

Na conversa com a jornalista Katiuscia Neri, Taleb relembra os primeiros contatos com os povos da aldeia Lima Campo, a comunidade indígena Jatayvary. Ele levou aos líderes a proposta de cultivar erva mate, como o primeiro passo de uma parceria capaz de retomar plantações para o consumo próprio –  como a do tradicional milho guarani – e também para a venda, como uma forma de gerar renda. “Nossa ideia era promover um impulso, para que [com o tempo] essa assistência se torne cada vez menos necessária”, explicou.

Para o proprietário de mais de 10 mil hectares na região, qualquer processo de regularização de terras e auxílio à produção destes povos precisa ter como princípio o respeito às necessidades indígenas. “A ideia é promover o desenvolvimento, mas da maneira como eles {índios] preconizam. Atender demandas mais básicas para que essa roda gire de acordo com os valores e lógica deles”, defendeu.

Ele relata também que a fertilidade da terra está exaurida e por isso há necessidade de auxílio técnico.

Atualmente, na aldeia, as condições de vida são precárias, avalia o produtor. A comunidade precisa garantir atendimento em saúde e reabrir uma escola. Há mais de dez anos, um vendaval destruiu a unidade que atendia 150 crianças e até hoje, apesar de esforços, não há perspectivas sobre o início das aulas. A unidade foi reconstruída pela própria comunidade Jatayvary, com apoios importantes, por meio de uma vaquinha virtual.

Produtor rural do MS, Omar Taleb fala sobre parceria com comunidade indígena

Produtor rural do MS Omar Taleb fala sobre parceria com comunidade indígena – Divulgação/TV Brasil

Fonte: Agência Brasil

Participe, envie sua notícia direto para o nosso Whatsapp.
Powered by