Com fortalecimento de inteligência e reforço em divisas, Forças de Segurança do Ceará apreendem mais de oito toneladas de drogas em 2020

O ano registrou um aumento de 67% nas apreensões quando comparado ao ano de 2019

Um aumento de 67% em comparação a 2019. Esse foi o balanço das apreensões de drogas em todo o Estado, durante os doze meses do ano de 2020 em comparação ao ano de 2019. Foram 8,3 toneladas de cocaína, crack e derivados de cannabis apreendidas durante o trabalho ostensivo e investigativos das Polícias Militar do Ceará (PMCE) e Civil do Estado do Ceará (PCCE). Em 2019, foram pouco mais cinco toneladas. Esse resultado é o melhor desde 2006, de acordo com dados compilados pela Gerência de Estatística e Geoprocessamento (Geesp) da Superintendência de Pesquisa e Estratégia de Segurança Pública (Supesp).

Até então, o ano que havia apresentado um resultado superior aos demais havia sido 2017, quando foram apreendidas 7,2 toneladas de drogas. De lá para cá, o Estado realinhou suas ações e fortaleceu sua inteligência, especialmente por se tratar de um estado com posicionamento estratégico. Dessa forma, as forças de segurança buscam se antecipar às investidas criminosas.

“Dentro da estratégia de combate ao crime organizado no Estado do Ceará, uma das principais ações da Secretaria da Segurança Pública, assim como da Polícia Civil e da Polícia Militar, é agir com muita inteligência, com muito planejamento e com foco na estratégia, reprimindo o tráfico de drogas justamente através das grandes apreensões de drogas e também por meio das prisões de traficantes. Também é importante destacar que reprimindo o tráfico de drogas se corta a principal fonte de renda dos grupos criminosos. Com o combate eficiente, uma repressão qualificada ao crime organizado, com a prisão de seus chefes e a descapitalização desses grupos, nós atingimos toda essa estrutura criminal”, ressaltou Sandro Caron, secretário da Segurança Pública e Defesa Social.

Caron aproveitou para falar os pontos de destaque no trabalho das forças de segurança que impactaram nas apreensões de entorpecentes no Estado durante o ano de 2020. “Utilizamos a inteligência para nos guiar, para direcionar melhor os nossos trabalhos e para que consigamos, por meio dela, o máximo de eficiência nas ações policiais de repressão qualificada. Utilizamos também estatísticas criminais para melhor posicionar os efetivos da Polícia Militar, com o policiamento preventivo e ostensivo. É importante destacar ainda o controle nas divisas do Estado para que se possa interceptar essas drogas já nas entradas do Ceará. Então, como já destacado aqui, nós utilizamos inteligência, planejamento, estratégia e muita investigação policial”, disse.

Polícia Militar

Um dos maiores prejuízos aos grupos criminosos em 2020 foi uma ação ocorrida no dia 6 de setembro, quando a Polícia Militar do Ceará (PMCE) apreendeu quatro toneladas de maconha prensada. A ocorrência foi registrada na cidade de Aquiraz, no distrito de Tapuio. O material estava em um caminhão que também foi apreendido.

“As ações da Polícia Militar do Ceará (PMCE) no combate ao tráfico de drogas no estado acontecem basicamente com patrulhamentos e abordagens nas mais variadas regiões do Estado, utilizando-se de todos os processos de policiamento ostensivos disponíveis e levando em consideração também o mapeamento criminal. Com isso, buscamos ter ações mais efetivas nas divisas com outros estados, utilizando tropas especiais da Companhia de Divisas, do Bepi e do CPChoque, sempre com orientações dos setores de inteligência. Isso contribuiu, sem dúvida, para a elevação da quantidade de drogas apreendidas pelo sistema de segurança do Estado, em 2020”, ressaltou o coronel comandante-geral da PMCE, Márcio de Oliveira.

Polícia Civil

Durante todo o ano de 2020, foram realizadas 6.411 prisões e apreensões em flagrante por tráfico de drogas. Inseridas nesses números estão as capturas realizadas pela Polícia Civil do Estado do Ceará, que tem estruturado suas ações especialmente para combater a entrada de ilícitos advindos de outros estados.

“Nós reestruturamos a Delegacia de Narcóticos (Denarc), com novos delegados e efetivos. Também tivemos a criação dos Núcleos de Combate ao Tráfico de Drogas no interior, basicamente nas Regiões Sul e Norte. Esses núcleos já se mostraram muito eficientes nas apreensões de drogas, principalmente na região do Cariri que faz divisa com algumas cidades de Pernambuco, onde existe grande movimentação de entorpecentes”, destacou o delegado geral da Polícia Civil, Marcus Rattacaso.

Em outubro, o Núcleo de Combate ao Tráfico de Drogas (NCTD) da Delegacia Regional de Juazeiro do Norte, no Cariri, apreendeu 250 quilos de maconha. O material estava separado em 266 tabletes, dois mil papelotes de cocaína, dois quilos de pasta base. Também foi apreendida uma arma de fogo e realizada uma prisão em flagrante.

Considerada a maior apreensão de drogas do ano, no Cariri, a ação foi resultado de uma investigação acerca do tráfico de drogas interestadual entre São Paulo e Ceará. Toda a droga era transportada em um ônibus clandestino.

Rattacaso aproveitou para ressaltar sobre o destino das substâncias ilícitas apreendidas, destacando que no ano passado, a Polícia Civil incinerou 6,7 toneladas de drogas. O número é superior ao total de drogas apreendidas pelas Forças de Segurança em todo o ano de 2019.

“Dentro desse contexto também merece comentar a questão da grande quantidade droga que foi incinerada aqui pela Denarc. Fruto, exatamente, do trabalho incansável de todos os operadores do Sistema de Segurança Pública, que deflagram operações que culminam nessas apreensões. Então isso é uma satisfação que se dá para a sociedade, demonstrando que essa droga, depois de apreendida e mediante autorização judicial, é incinerada e se torna imprestável para qualquer uso ou consumo”, disse.

ASCOM

Participe, envie sua notícia direto para o nosso Whatsapp.
Powered by