Campanha do Laço Branco quer homens como participantes e protagonistas

A Assembleia Legislativa do Ceará lançou, nesta sexta-feira (06/12), a Campanha Brasileira do Laço Branco, com intuito de sensibilizar os homens na luta pelo fim da violência contra a mulher. A apresentação ocorreu no Salão Nobre da Presidência da Casa e contou com a participação do psicólogo do Instituto Promundo, Daniel Costa, e de parlamentares, que receberam material informativo.

A procuradora Especial da Mulher, deputada Augusta Brito (PCdoB), disse que, de todas as agressões contra mulheres, 96,4% são cometidas por homens. “Está na hora de trazer essa pauta e colocar os homens como participantes e protagonistas dessa luta”, defendeu. A parlamentar  ponderou que os casos notificados não chegam “a 10% da realidade”.

A deputada observou que a campanha ocorre sobretudo em razão dos altos índice de violência contra as mulheres registrados nos últimos anos no Estado. “Nós, do Ceará, segundo estado do Brasil que mais cometeu violência contra a mulher, precisamos falar com os homens”, justificou.

O psicólogo Daniel Costa, que apresentou a campanha, assinalou que essa pauta não deve ser pensada apenas pelas mulheres. “Se existe violência e é cometida na maioria por homens, então esse é um problema nosso”, reconhece. Ele apontou que uma das principais formas de prevenir é trabalhar com crianças e adolescentes. “Não existe canto melhor que a escola”, ressaltou.

Daniel Costa, que trabalha com programas voltados aos atores de violência, relatou que não há um reconhecimento do erro por parte dos agressores. “Eles saem dos encontros dizendo que, se fizeram alguma coisa foi respondendo a uma agressão da mulher; nunca olhando para si e dizendo: ‘essa violência está em mim, essa violência aprendi e é um crime'”, alertou.

Desde 2007, 6 de dezembro é considerado o Dia Nacional de Mobilização dos Homens no Enfrentamento da Violência contra as Mulheres. A data remete ao “Massacre de Montreal”, quando um homem de 25 anos entrou armado na Escola Politécnica de Montreal, no Canadá, e assassinou 14 mulheres. A tragédia aconteceu em 1989. A campanha, que se espalhou por diversos países, é resultado da mobilização de homens canadenses pelo fim da violência de gênero.

A campanha será oficializada nesta sexta-feira, a partir das 14h, no auditório Murilo Aguiar. “Vamos ter um cinedebate, do qual participarão escolas e universidades públicas e privadas”, adiantou Augusta Brito.

Além da deputada Augusta Brito (PCdoB), estiveram presentes os deputados Tin Gomes (PDT), David Duran (Republicanos), Romeu Aldigueri (PDT), Sérgio Aguiar (PDT), Oriel Nunes (PDT), Nezinho Farias (PDT), Acrísio Sena (PT), Renato Roseno (Psol) e Fernanda Pessoa (PSDB), além de representantes do Fundo das Nações Unidas para a Infância (Unicef-CE), Corpo de Bombeiros do Estado, entre outros.
LS/AT


Participe, envie sua notícia direto para o nosso Whatsapp.
Powered by